Essa é realmente muito estranha.

A sonda espacial Pioneer 10, lançada há trinta anos, está sofrendo a influência de uma força bizarra que ameaça reescrever as leis da Física. Após tirar as primeiras fotografias de Júpiter, a Pioneer 10 ultrapassou os limites de nosso sistema solar em 1983. Agora, anos depois e para espanto dos cientistas da NASA, ela está sendo puxada por uma força desconhecida. A influência misteriosa não apresenta sinais de enfraquecimento e tudo indica que a sonda, acidentalmente, revelou uma nova força da natureza. O DR. Phillip Laing, membro do grupo de pesquisadores que tem rastreado a sonda viajante, garante que todas as teorias e hipóteses conhecidas já foram aplicadas ao fenômeno, sem nenhum sucesso. A Pioneer 10 foi lançada em 2 de março de 1972 e, juntamente com a Pioneer 11, revolucionou a astronomia com imagens detalhadas de Júpiter e Saturno. Em junho de 1983, a Pioneer 10 ultrapassou Plutão, o mais distante planeta do sistema solar. As duas sondas viajam agora a uma velocidade de 43 mil quilômetros por hora em direção às estrelas. As últimas pesquisas mostram que essa velocidade está decrescendo, como se a sonda estivesse sendo puxada, em uma ordem de 10 Km/h a cada século (uma força dez bilhões de vezes mais fraca que a da gravidade).

Os cientistas continuam monitorando os sinais da Pioneer 10, que se encontra atualmente a mais de 11 bilhões de quilômetros da Terra. Defeitos na sonda, resistência provocada por gases e o empuxo gravitacional de astros próximos são algumas das hipóteses já plenamente descartadas. Curiosamente, o mesmo efeito (com uma desaceleração de ordem idêntica) está sendo observado nas sondas Galileo e Ulysses, que ainda estão no nosso sistema solar. Uma força de tal magnitude, em escala cósmica, seria um elemento de grande influência na trajetória dos cometas, por exemplo, e até mesmo na vida terrestre. Uma hipótese que está sendo estudada agora leva a crer que o “empuxo” seria uma característica desconhecida da força gravitacional universal (o que exigiria mudanças nas leis da Física e nos conhecimentos de cosmologia e navegação espacial). Até 1988, a Pioneer 10 era o artefato de fabricação humana a maior distância da Terra (característica hoje apresentada pela Voyager 1, que está mais longe). A Pioneer 10 carrega uma placa de ouro e alumínio com desenhos de um homem e uma mulher, além de um mapa indicando seu ponto de origem no universo, o que a NASA chama de “mensagem na garrafa cósmica”. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *