Caipiras

“É realmente estranho como algumas pessoas estão detonando os clubbers pela forma como se vestem; parece que há uma reação caipira que insiste em dizer que eles são esnobes, hostis e basicamente a antítese de tudo que é sério na música.

Estou particularmente de saco cheio de ouvir essa última alegação. Um monte de gente vestida de forma estranha criou música que mudou o mundo; dos Sex Pistols a David Bowie, do Parliament/Funkadelic a Björk, passando pelo Outkast; a lista é longa. Até mesmo o pobre Roxy Music só foi levado a sério depois que seus membros começaram a se vestir de forma mais interessante.

A maioria dos que criticam as pessoas pela forma como elas se vestem presumem que elas são mimadas e ricas e que gastam dinheiro demais em roupas e imagem, mas a realidade é quase sempre exatamente o contrário. Porque não podem pagar por modelos caros e de marca, elas criaram seu próprio look adaptando o que quer que estivesse em volta – e isso parece ser uma ameaça para algumas pessoas.

A atitude intolerante para com o diferente ou colorido diz muito mais sobre as inseguranças da pessoa que critica. E realmente não tem diferença entre fazer isso e julgar uma pessoa pelo seu sotaque ou pela cor da sua pele. Nos faz pensar: sobre o que mais essas pessoas são intolerantes?”

O sempre magnífico Mark Moore (ex-S’Express) em sua coluna semanal.

Moore, como sempre, tem razão. Me faz pensar sobre alguns xiitas de blogs brasileiros, que vivem detonando tudo o que é diferente e todos que se vestem da forma que eles gostariam de se vestir – mas não sabem como.

“É realmente estranho como algumas pessoas estão detonando os clubbers pela forma como se vestem; parece que há uma reação caipira que insiste em dizer que eles são esnobes, hostis e basicamente a antítese de tudo que é sério na música.

Estou particularmente de saco cheio de ouvir essa última alegação. Um monte de gente vestida de forma estranha criou música que mudou o mundo; dos Sex Pistols a David Bowie, do Parliament/Funkadelic a Björk, passando pelo Outkast; a lista é longa. Até mesmo o pobre Roxy Music só foi levado a sério depois que seus membros começaram a se vestir de forma mais interessante.

A maioria dos que criticam as pessoas pela forma como elas se vestem presumem que elas são mimadas e ricas e que gastam dinheiro demais em roupas e imagem, mas a realidade é quase sempre exatamente o contrário. Porque não podem pagar por modelos caros e de marca, elas criaram seu próprio look adaptando o que quer que estivesse em volta – e isso parece ser uma ameaça para algumas pessoas.

A atitude intolerante para com o diferente ou colorido diz muito mais sobre as inseguranças da pessoa que critica. E realmente não tem diferença entre fazer isso e julgar uma pessoa pelo seu sotaque ou pela cor da sua pele. Nos faz pensar: sobre o que mais essas pessoas são intolerantes?”

O sempre magnífico Mark Moore (ex-S’Express) em sua coluna semanal.

Moore, como sempre, tem razão. Me faz pensar sobre alguns xiitas de blogs brasileiros, que vivem detonando tudo o que é diferente e todos que se vestem da forma que eles gostariam de se vestir – mas não sabem como.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *