August 31, 2017 at 08:34PM

Bienal do Livro: aquele evento na casa do caralho onde uma cidade inteira que nunca lê se reúne para pegar autógrafos de youtubers e comprar álbuns para colorir, livros de autoajuda e coisas religiosas.

August 31, 2017 at 02:40AM

Encontrei isso em jornalismo, o que era esperado por ser um mundo careta e onde se luta por migalhas. Mas é muito bizarro ver isso também em música alternativa, sound art, literatura, quadrinhos. Gente que deveria conhecer melhor o mundo ao invés de repetir os mesmos dioramas toscos dos anos 50, os mesmos critérios imaginários do que é o modo “certo” ou “errado” de fazer as coisas. Diabos, marqueteiros mais ou menos medíocres conseguiram arrancar dinheiro de loucos como John Lydon, Kurt Cobain, Jim Morrison, Iggy Pop, Crumb, Pazienza, Cassavetes, etc. Aqui no Brasil esperam que todo mundo, não importa a posição política/ética/estética se enquadre no mesmo modus operandi de uma Barbara Cartland, uma (insira aqui o nome da autora de 50 Tons de Cinza), um Coldplay. Rolo compressor unificador, para disfarçar a falta de talento de quem deveria pensar em como ganhar dinheiro com os malucos. Dica: não vai ser colocando o maluco redondo num buraco quadrado.

August 31, 2017 at 02:32AM

Todos os meus heróis são liabilities.

August 31, 2017 at 02:31AM

A diferença é que amigos são amigos, enquanto networkers te deixam na mão assim que que você pode ser uma liability de alguma forma. E, foi mal, cresci amando liabilities.

August 31, 2017 at 02:29AM

Eu faço amizades, não networking. Foda-se networking. Se eu pautasse minhas escolhas pela “carreira” teria escolhido algo que desse grana, não ser escritor.

August 02, 2017 at 11:35PM

O mas surreal e triste é, logo em seguida a toda essa farsa tão brasileira, ouvir as pessoas urrando na janela por causa do futebol. Hoje ficou bem escancarada a relação diretíssima entre pão (velho) e circo (vagabundo).
E, sim, leio quadrinhos da Marvel e vejo Game of Thrones em boa parte por escapismo, mas não vou pra janela gritar VAI DAENERYS PORRA

July 13, 2017 at 06:30PM

Foda-se o “Dia Mundial do Rock”. Como respeitar uma data chapa branca para um gênero musical que há muito virou trilha sonora para homem branco hetero reaça? Os dias de Jerry Lee Lewis, Velvet Underground, PiL e Mudhoney acabaram. Virou trilha de comercial da AT&T, move on.

July 12, 2017 at 06:27PM

Reparem só: em 90% das vezes e não importando qual o tema, uma tentativa de iniciar uma conversa é imediatamente respondida com uma opinião. E uma opinião taxativa. Quando isso começou? Tem alguns anos, mas é coisa pós-web 2.0.
Opinem 😛

July 12, 2017 at 05:47PM

Ué, caceta, claro que eu sou pretensioso. Se não fosse não tentaria escrever ou fazer música. Ficaria em casa vendo Friends e pintando o rodapé de branco-gelo.

July 05, 2017 at 05:49PM

Com algumas pessoas não basta você sempre tê-las tratado bem; não basta ser sempre educado com elas, tentar ser gente boa, etc. Elas meio que param de falar direito com vo~ê assim que encontram um item de dissenso, por mínimo que seja. ” Ih, ele não gosta de young adult” ou “Nossa, ele detesta coleções de bonequinhos”. Se você se posiciona contra, sei lá, a censura de livros, acha ridículo que peguem em armas pelo que aconteceu com Sansa em Game of Thrones enquanto mulheres reais são mortas a cada minuto, ousa duvidar da idoneidade do Diário do Meio da Rola ou coisa assim, então, danou-se. Não olha mais pra sua cara. Sinceramente, gente: grow the fuck up. O mundo é feito de dissenso, de discordância e se vocês querem fazer parte de grupinhos de “n’os vs eles” formem um grupo de paintabll, vão disputar um deathmatch de Quake, jogar vôlei ou queimada. A vida é feita de diálogo, não de forçar o outro a concordar com você na base do berro.