Rato do mangue

Mais uma boa e positiva resenha do Rei Rato, de China Miéville, que traduzi em 2011 para a Tarja. Diogo Besson acerta em cheio: se fosse brasileiro não seria jungle, mas Manguetown. Adoro manguebit (ou manguebeat?), boa comparação.

“É também cheio de musicalidade, com referências ao Jungle e Drum’n’Bass, e possui descrições tão detalhadas da sonoridade que com alguma concentração você quase até consegue ouvir o som saindo das páginas.”

Hiriburu no Argos 2013

Meu conto Hiriburu é um dos finalistas do prêmio Argos 2013, a mais importante premiação de ficção científica do Brasil. A história foi publicada ano passado pela editora Terracota na coletânea Caminhos do Fantástico. Curiosamente, isso acontece exatos dez anos depois de outro conto meu, O Rabo da Serpente, ter sido finalista do mesmo prêmio Argos, em 2003. Na torcida dessa vez!

O prêmio Argos é concedido pelo CLFC, o Clube de Leitores de Ficção Científica. Meu enorme “muito obrigado” a todos os que leram Hiriburu e votaram nele para finalista. A premiação acontece no dia 22 de setembro, dentro do evento Fantasticon. Colo aqui a lista completa dos finalistas.

Na categoria história longa:

O Alienado, Cirilo S. Lemos – Editora Draco
Kaori e o Samurai sem braço, Giulia Moon – Editora Giz Editorial
Sozinho no deserto Extremo, Luiz Bras – Editora Prumo
Territórios Invisíveis, Nikelen Witter – Editora Fantas

Na categoria história curta:

As Filhas de Cassiopeia: a Ofensiva Draconiana, Hugo Vera – Space Opera II – Editora Draco
Hiriburu, Alexandre Mandarino – Caminhos do Fantástico Vol.1 – Editora Terracota
No vácuo você pode ouvir o espaço gritar, Carlos Orsi– Space Opera II – Editora Draco
Obliterati, Fábio Fernandes– Space Opera II – Editora Draco

O escritor Bráulio Tavares receberá um prêmio pelo conjunto da obra.

Mudança

Pessoal, a parte “blog” deste site passará para o Tumblr, em http://hypervoid.tumblr.com/. Com as redes sociais, cada vez menos leitores direcionam seus browsers para os blogs pessoais. A exceção é o Tumblr, que é mais social e participativo por natureza. Por favor, continuem acompanhando o Hypervoid (que faz 11 anos de existência em 2013) em seu novo endereço. Continuarei postando sobre o que acho mais interessante em cultura pop, magick, subversão, ciência maluca e outras coisas por lá. O que já saiu no Hypervoid até agora continuará aqui neste endereço, como uma espécie de arquivo. Mas o blog desta página passará a falar só de coisas pessoais e de meu trabalho como escritor, editor e tradutor. 

Isto porque este site, que continuará a existir e ser plenamente atualizado, passará a ser meu site profissional (pessoal?), onde concentrarei minha plataforma literária online. Posts sobre meus textos, contos online, links para livros e histórias à venda, além de material sobre meus trabalhos de sound art e música eletrônica. 

A revista Hyperpulp também continua normalmente, em seu site próprio

Esta mudança acontece porque a web se tornou mais fragmentada e ao mesmo mais monopolizada (paradoxo virtual) do que nos anos 90 e 00, graças ao Facebook e outros mega-sites sociais aglomeradores, que desestimulam a visita e o surf livre. Acho melhor granular a produção, focalizando cada canto em um determinado aspecto profissional e pessoal, ao invés de juntar todos os ovos aqui neste endereço.

Terra Incógnita no Teatro do Sesi

Acontece nesta sexta, dia 12 de julho, o primeiro show do Terra Incógnita, parceria minha com Leandra Lambert. Música eletrônica experimental, dub, abstract hip-hop, ambient, lo-fi se mesclam a estilos próprios, como o housecore. Não percam. É de graça, com senha retirada uma hora antes do início do espetáculo.

Terra Incógnita

Leandra Lambert e Alexandre Mandarino

Teatro do SESI

Av. Graça Aranha, 1, Centro do Rio

19 horas

terra incognita

A Noite Quando Cai Nunca é a Mesma

tumblr_m5f73ssqah1qzaryso1_500

A Noite Quando Cai Nunca é a Mesma (The Night Is Never The Same When It Falls), por Leandra Lambert.

via Tumblr