For relaxing times, make it Suntory time

Num país onde tão pouca gente lê em inglês (ao menos segundo pesquisas) tradutores deveriam ter muito mais crédito.
Sou a favor inclusive de que seja como acontece na França: nome do tradutor já na capa do livro.
Afinal, é uma adaptação, sempre. Por mais que vc queira ser fiel, toda mudança de língua passa por um modem: você modula, desmodula e a coisa vira uma outra parada.

—–

O aniversário de 100 anos da Fonte de Duchamp, hoje (sim, um século) é um ótimo momento para lembrar que o rompimento de ontem é o dogma de hoje. Precisamos de uma nova fonte, em vários sentidos da palavra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *