Stockhausen: silêncio

O século XX produziu poucas pessoas como Karlheinz Stockhausen, que faleceu esta semana. Vinte e quatro horas de silêncio.

O século XX produziu poucas pessoas como Karlheinz Stockhausen, que faleceu esta semana. Vinte e quatro horas de silêncio.

Escumalha Americana

O novo álbum do LCD Soundsystem, Sound of Silver, só sai oficialmente no dia 12 de março, mas já está disponível nos torrents. Baixei e em breve comento por aqui. Enquanto isso, já rola o primeiro single do disco, North American Scum. O single tá vendendo muito bem e já tem clipe (aí embaixo) dirigido por Ben Dickinson, que já fez coisas para o Rapture, banda meio que irmã do LCD, também de disco-punk.

Muito legal o single, com as influências de sempre de pós-punk, especialmente The Fall e Gang of Four – e agora rola uma influência de Pixies nos vocais e guitarras, acredito. Vou fazer uma resenha propriamente dita, mas o álbum como um todo está muito bom. Aliás, o disco-punk (detesto o termo "new rave" e não vou usar) é um sopro de alívio em meio à mesmice da música eletrônica mais centrada no psy trance e em coisas dos anos 90 e à chatice pré-fabricada e "emo" da maioria do rock atual. Viva James Murphy e seu sistema de som de cristal líquido.

O novo álbum do LCD Soundsystem, Sound of Silver, só sai oficialmente no dia 12 de março, mas já está disponível nos torrents. Baixei e em breve comento por aqui. Enquanto isso, já rola o primeiro single do disco, North American Scum. O single tá vendendo muito bem e já tem clipe (aí embaixo) dirigido por Ben Dickinson, que já fez coisas para o Rapture, banda meio que irmã do LCD, também de disco-punk.

Muito legal o single, com as influências de sempre de pós-punk, especialmente The Fall e Gang of Four – e agora rola uma influência de Pixies nos vocais e guitarras, acredito. Vou fazer uma resenha propriamente dita, mas o álbum como um todo está muito bom. Aliás, o disco-punk (detesto o termo "new rave" e não vou usar) é um sopro de alívio em meio à mesmice da música eletrônica mais centrada no psy trance e em coisas dos anos 90 e à chatice pré-fabricada e "emo" da maioria do rock atual. Viva James Murphy e seu sistema de som de cristal líquido.

Tuesday, February 13, 2007 at 11:33 PM

A página do Chip Totec está em construção.
Enquanto isso, visite a página da banda no

Last.FM

ou no

Trama Virtual.

É possível ouvir nas duas páginas todas as músicas dos três álbuns-demo:

DREAM OF THE APPLES
(1998)

HOUSE OF FUCKERS
(1999)

CLUB 23
(2002)

A página do Chip Totec está em construção.
Enquanto isso, visite a página da banda no

Last.FM

ou no

Trama Virtual.

É possível ouvir nas duas páginas todas as músicas dos três álbuns-demo:

DREAM OF THE APPLES
(1998)

 

HOUSE OF FUCKERS
(1999)

 

CLUB 23
(2002)

Mad Villain

Um dos clips mais legais que eu já vi é esse do Mad Villain, "All Caps". O rapper usa imagens típicas de um quadrinho da Marvel dos anos 60, muito legal mesmo.

(Valeu pelo link, Remier).

Um dos clips mais legais que eu já vi é esse do Mad Villain, “All Caps”. O rapper usa imagens típicas de um quadrinho da Marvel dos anos 60, muito legal mesmo.

(Valeu pelo link, Remier).

 

Oblique Strategies

Este site tem uma versão online e randômica, em JavaScript, do livro criado por Brian Eno nos anos 70, as Oblique Strategies. Usando seu approach caótico típico, Eno idealizou um misto de oráculo, koan e auto-ajuda. O livro original (e as diferentes três edições que o sucederam) continha frases em lâminas soltas, dispostas dentro de uma caixa. Ao sinal de alguma dúvida sobre como agir em relação a qualquer situação, o consultante deveria retirar uma das lâminas e agir de acordo com suas reflexões sobre a frase em questão.

Este site tem uma versão online e randômica, em JavaScript, do livro criado por Brian Eno nos anos 70, as Oblique Strategies. Usando seu approach caótico típico, Eno idealizou um misto de oráculo, koan e auto-ajuda. O livro original (e as diferentes três edições que o sucederam) continha frases em lâminas soltas, dispostas dentro de uma caixa. Ao sinal de alguma dúvida sobre como agir em relação a qualquer situação, o consultante deveria retirar uma das lâminas e agir de acordo com suas reflexões sobre a frase em questão.

A Verdade sobre o Trance

Simplesmente GENIAL. Vão aqui agora mesmo e saibam a verdade sobre “DJs” idiotas como Tiesto, Ferry Corsten e Armin Van Buuren e porque o público playboy de trance está matando a cultura rave, transformando-a em um mero similar do rock farofa. Assino embaixo completamente do que dizem lá (e ainda é um quadrinho genialmente pop).

E, sim, ainda cita Bill Drummond, do KLF, e os geniais pranksters do Spiral Tribe, figuras que ao lado de nomes como Bobby Gillespie, Mark Moore, Happy Mondays, Tim Simenon, Carl Cox e tantos outros deram significância à cena rave entre 1988 e meados dos anos 90.

O cara ainda cita um comportamento pra lá de tosco que me incomodou muito assim que começou a rolar aqui no Brasil, no final dos anos 90/início dos anos 00: pessoas que ficam olhando o DJ, como se ele fosse uma banda de rock, ao invés de dançar (é uma festa, afinal, certo?). Tão olhando o quê?? O que tem de tão sensacional pra se ficar olhando em um DJ (se ele não é um turntablist como Q-Bert?). STOP THE SHEEP-WATCHING AND GO DANCE NOW! Não é um show, there’s nothing to see there. Não tem porquê ficar de frente para o DJ parado: vão dançar, falar com alguém, circular. É uma festa, não um show! Não por acaso, esse comportamento “nossa, olha lá o DJ, vamos ficar olhando para ele e aplaudir” começou a rolar exatamente quando os playboys começaram a ir às raves (graças à ascensão do trance).

Chego a pensar se a transformação desses DJs manés de trance em mega-popstars não é uma tramóia das gravadoras para tornar a cena eletrônica menos faceless e mais vendável, com caras idolatradas (como as mesmas que arruinaram o rock, minando sua energia ao longo das décadas). Fuck the popstar. Afinal, every brother is a star, every sister is a star. Quem precisa de um ego sobre o palco? Em uma rave? Só pode ser uma armação: os DJs megastars de trance tiraram o conteúdo original das raves, mataram a festa e reinstituiram o culto à personalidade tão grato às gravadoras (afinal, produtos tem que ter rótulo e embalagem). Das festas “no logo” movidas a TAZ dos anos 80 e 90, as raves viraram um show de metal farofa. Valeu, Tiesto e manés congêneres (“maior DJ do mundo”? Tocando e produzindo o lixo que ele cria? Tá bom).

A todos os playboys equivocados que gostam de trance e vão a raves para ficar olhando para o DJ ao invés de dançar: eat shit and die!

Simplesmente GENIAL. Vão aqui agora mesmo e saibam a verdade sobre “DJs” idiotas como Tiesto, Ferry Corsten e Armin Van Buuren e porque o público playboy de trance está matando a cultura rave, transformando-a em um mero similar do rock farofa. Assino embaixo completamente do que dizem lá (e ainda é um quadrinho genialmente pop).

E, sim, ainda cita Bill Drummond, do KLF, e os geniais pranksters do Spiral Tribe, figuras que ao lado de nomes como Bobby Gillespie, Mark Moore, Happy Mondays, Tim Simenon, Carl Cox e tantos outros deram significância à cena rave entre 1988 e meados dos anos 90.

O cara ainda cita um comportamento pra lá de tosco que me incomodou muito assim que começou a rolar aqui no Brasil, no final dos anos 90/início dos anos 00: pessoas que ficam olhando o DJ, como se ele fosse uma banda de rock, ao invés de dançar (é uma festa, afinal, certo?). Tão olhando o quê?? O que tem de tão sensacional pra se ficar olhando em um DJ (se ele não é um turntablist como Q-Bert?). STOP THE SHEEP-WATCHING AND GO DANCE NOW! Não é um show, there’s nothing to see there. Não tem porquê ficar de frente para o DJ parado: vão dançar, falar com alguém, circular. É uma festa, não um show! Não por acaso, esse comportamento “nossa, olha lá o DJ, vamos ficar olhando para ele e aplaudir” começou a rolar exatamente quando os playboys começaram a ir às raves (graças à ascensão do trance).

Chego a pensar se a transformação desses DJs manés de trance em mega-popstars não é uma tramóia das gravadoras para tornar a cena eletrônica menos faceless e mais vendável, com caras idolatradas (como as mesmas que arruinaram o rock, minando sua energia ao longo das décadas). Fuck the popstar. Afinal, every brother is a star, every sister is a star. Quem precisa de um ego sobre o palco? Em uma rave? Só pode ser uma armação: os DJs megastars de trance tiraram o conteúdo original das raves, mataram a festa e reinstituiram o culto à personalidade tão grato às gravadoras (afinal, produtos tem que ter rótulo e embalagem). Das festas “no logo” movidas a TAZ dos anos 80 e 90, as raves viraram um show de metal farofa. Valeu, Tiesto e manés congêneres (“maior DJ do mundo”? Tocando e produzindo o lixo que ele cria? Tá bom).

A todos os playboys equivocados que gostam de trance e vão a raves para ficar olhando para o DJ ao invés de dançar: eat shit and die!

Gaiman na Wired

Neil Gaiman estréia como membro do staff da Wired, entrevistando Damon Albarn (Blur) e Jaime Hewlett (Tank Girl), onde eles falam sobre o novo disco dos Gorillaz (que é ótimo, aliás).

Neil Gaiman estréia como membro do staff da Wired, entrevistando Damon Albarn (Blur) e Jaime Hewlett (Tank Girl), onde eles falam sobre o novo disco dos Gorillaz (que é ótimo, aliás).

Edge

O DJ Paul Edge é um inglês que vive no Arizona e toca techno. Seu site é muito legal, criado pela empresa de design TOL23. Vale a pena a visita: o site simula uma espécie de CPU. É pesado, mas vá lá conferir se tiver banda larga: DJPaulEdge.com

O DJ Paul Edge é um inglês que vive no Arizona e toca techno. Seu site é muito legal, criado pela empresa de design TOL23. Vale a pena a visita: o site simula uma espécie de CPU. É pesado, mas vá lá conferir se tiver banda larga: DJPaulEdge.com

Kinky

Uma das coisas mais legais que descobri nas web radios por esses tempos foram os caras do Kinky. É um quinteto mexicano que mistura house, disco, breakbeat, rock, funk, samba e um monte de maluquices. Arranjos sensacionais, vocais ótimos, músicas incríveis. Destaque para a inacreditável Noche de Toxinas. Criatividade sem hipocrisias restritivas ligadas a babaquices como “nação” e “gênero”.

O site dos caras é http://www.kinky.com.mx, mas parece estar fora do ar.

UPDATE: O site dos caras agora fica dentro da página da gravadora, em http://www.sonic360.com/kinky

Uma das coisas mais legais que descobri nas web radios por esses tempos foram os caras do Kinky. É um quinteto mexicano que mistura house, disco, breakbeat, rock, funk, samba e um monte de maluquices. Arranjos sensacionais, vocais ótimos, músicas incríveis. Destaque para a inacreditável Noche de Toxinas. Criatividade sem hipocrisias restritivas ligadas a babaquices como “nação” e “gênero”.

O site dos caras é http://www.kinky.com.mx, mas parece estar fora do ar.

UPDATE: O site dos caras agora fica dentro da página da gravadora, em http://www.sonic360.com/kinky

ROCK DA HOUSE!

You are house!
You are house!

What kind of techno music are you?
brought to you by Quizilla

You are house!
You are house!

What kind of techno music are you?
brought to you by Quizilla