Gonzalo Frasca e GTA 3

Gonzalo Frasca, um dos melhores articulistas do excelente site Game Studies, analisa porque a liberdade de imersão em GTA 3 funciona tão bem neste ótimo artigo. Frasca, que é gamedesigner, analisa GTA 3 (em comparação com Shenmue, outro jogo que prometia liberdade e falhou miseravelmente) pela óptica da ludologia (a vertente que prefere “histórias” contadas através da imersão arquitetônica em um mundo com regras próprias, em oposição à teleologia, a vertente que prefere histórias contadas através de objetivos a serem alcançados e problemas a serem resolvidos). Os artigos do Game Studies são muito bons e milhas além da tradicional “crítica” de games escrita por moleques meio analfas.

Gonzalo Frasca, um dos melhores articulistas do excelente site Game Studies, analisa porque a liberdade de imersão em GTA 3 funciona tão bem neste ótimo artigo. Frasca, que é gamedesigner, analisa GTA 3 (em comparação com Shenmue, outro jogo que prometia liberdade e falhou miseravelmente) pela óptica da ludologia (a vertente que prefere “histórias” contadas através da imersão arquitetônica em um mundo com regras próprias, em oposição à teleologia, a vertente que prefere histórias contadas através de objetivos a serem alcançados e problemas a serem resolvidos). Os artigos do Game Studies são muito bons e milhas além da tradicional “crítica” de games escrita por moleques meio analfas.

GTA – Sin City?

Os boatos de que o próximo GTA iria se chamar GTA – Sin City e “se passar no universo criado por Frank Miller” eram, como eu já previa, invencionices de um lojista americano. Nada a ver mesmo, que idéia de jerico. Mas a Rockstar deve anunciar em breve o lançamento do tão esperado GTA 4, que deverá se chamar GTA – San Andreas. É bem provável (mas ainda não confirmado) que se passe na Califórnia, nos anos 70.
Ou seja: quadrilhas e quadrilhas de Hell’s Angels, negões com cabelo black power e sapatos plataforma, gangues de figuras glitter e purpurinadas e rádios com Steppenwolf de trilha sonora. Se for assim, será sensacional. O mais bacana é que a Rockstar já registrou os nomes GTA 5 e GTA 6. Ou seja, aparentemente, a série ainda tem muita estrada pela frente. Yes!
GTA 4 – San Andreas deve ser lançado em outubro ou novembro, mas a Rockstar fará um anúncio oficial em breve.

Os boatos de que o próximo GTA iria se chamar GTA – Sin City e “se passar no universo criado por Frank Miller” eram, como eu já previa, invencionices de um lojista americano. Nada a ver mesmo, que idéia de jerico. Mas a Rockstar deve anunciar em breve o lançamento do tão esperado GTA 4, que deverá se chamar GTA – San Andreas. É bem provável (mas ainda não confirmado) que se passe na Califórnia, nos anos 70.
Ou seja: quadrilhas e quadrilhas de Hell’s Angels, negões com cabelo black power e sapatos plataforma, gangues de figuras glitter e purpurinadas e rádios com Steppenwolf de trilha sonora. Se for assim, será sensacional. O mais bacana é que a Rockstar já registrou os nomes GTA 5 e GTA 6. Ou seja, aparentemente, a série ainda tem muita estrada pela frente. Yes!
GTA 4 – San Andreas deve ser lançado em outubro ou novembro, mas a Rockstar fará um anúncio oficial em breve.

GTA 3 70

Acabei de descobrir algo absurdamente assustador: 70% dos adolescentes
americanos já jogaram GTA: Vice City ou GTA 3.
YES!!!!
E descobri ainda que os manés governamentais-protestantes-anti-aborto-merdões
que estão reclamando que o game incita à violência também estão dizendo que
games em geral (não só a série GTA) são os responsáveis pelo alto índice de
obesidade entre crianças e adolescentes americanos.
Ué, é o Playstation que manda na casa? O negócio não tem um botão de power
off? A televisão não tem um botão de desligar? Inventaram a inteligência
artificial e ela está tomando as decisões pelas “famílias americanas”? Bando de
hipócritas. Tirem essas belugas teen de frente da TV e mandem-nas brincar na
rua! Se bem que, pensando bem, talvez seja justamente o tempo que passam em
frente à TV jogando que as impeça de encontrar a Smith & Wesson do pai em
cima da mesinha de cabeceira e sair dando uns pipocos na testa das professoras
de química. Povo maluco.
Ah, e por falar em violência: GTA 3 e Vice City são proibidos para menores de
18 anos. Vão encher o saco dos lojistas.
O pop vai destruir a comunidade internacional e isso é sensacional!!

Acabei de descobrir algo absurdamente assustador: 70% dos adolescentes
americanos já jogaram GTA: Vice City ou GTA 3.
YES!!!!
E descobri ainda que os manés governamentais-protestantes-anti-aborto-merdões
que estão reclamando que o game incita à violência também estão dizendo que
games em geral (não só a série GTA) são os responsáveis pelo alto índice de
obesidade entre crianças e adolescentes americanos.
Ué, é o Playstation que manda na casa? O negócio não tem um botão de power
off? A televisão não tem um botão de desligar? Inventaram a inteligência
artificial e ela está tomando as decisões pelas “famílias americanas”? Bando de
hipócritas. Tirem essas belugas teen de frente da TV e mandem-nas brincar na
rua! Se bem que, pensando bem, talvez seja justamente o tempo que passam em
frente à TV jogando que as impeça de encontrar a Smith & Wesson do pai em
cima da mesinha de cabeceira e sair dando uns pipocos na testa das professoras
de química. Povo maluco.
Ah, e por falar em violência: GTA 3 e Vice City são proibidos para menores de
18 anos. Vão encher o saco dos lojistas.
O pop vai destruir a comunidade internacional e isso é sensacional!!

“Kill All The Haitians”

A Take Two Interactive, distribuidora de GTA: Vice City, game da Rockstar North, anunciou que cortará a frase “Kill all the Haitians” das futuras cópias do título. Em determinado momento do fantástico jogo, o seu personagem deve se safar de uma armadilha da quadrilha de haitianos que mora no bairro de Little Haiti. Na tela, aparecem as instruções: “Kill all the Haitians”.
A pressão pelo corte partiu da comunidade haitiana em Nova York e até mesmo do prefeito, Michael Bloomberg, que discursou contra o game em uma igreja haitiana no Brooklyn.

Mais bizarro é o fato da quadrilha de haitianos ser liderada por uma mãe-de-santo freak, que mora em um barraco no meio de um favelão. Mas acho que não ligaram pra isso.
Entendo os motivos do corte, mas a frase dizia respeito à quadrilha dos haitianos, não àquele povo como um todo. Claro, poderiam ter batizado o grupo com um nome propriamente dito, de forma que não parecesse uma generalização racista (e o simples fato da Rockstar ter colocado no jogo uma estação de rádio haitiana com músicas daquele país já conta pontos contra esse papo de racismo).

Bom, eu adoro a cultura do Haiti, sinto pelo que sofreram nas mãos dos Docs e acho sensacionais a religião e os mitos vodus, mas detesto QUALQUER tipo de censura:

KILL ALL THE HAITIANS

A Take Two Interactive, distribuidora de GTA: Vice City, game da Rockstar North, anunciou que cortará a frase “Kill all the Haitians” das futuras cópias do título. Em determinado momento do fantástico jogo, o seu personagem deve se safar de uma armadilha da quadrilha de haitianos que mora no bairro de Little Haiti. Na tela, aparecem as instruções: “Kill all the Haitians”.
A pressão pelo corte partiu da comunidade haitiana em Nova York e até mesmo do prefeito, Michael Bloomberg, que discursou contra o game em uma igreja haitiana no Brooklyn.

Mais bizarro é o fato da quadrilha de haitianos ser liderada por uma mãe-de-santo freak, que mora em um barraco no meio de um favelão. Mas acho que não ligaram pra isso.
Entendo os motivos do corte, mas a frase dizia respeito à quadrilha dos haitianos, não àquele povo como um todo. Claro, poderiam ter batizado o grupo com um nome propriamente dito, de forma que não parecesse uma generalização racista (e o simples fato da Rockstar ter colocado no jogo uma estação de rádio haitiana com músicas daquele país já conta pontos contra esse papo de racismo).

Bom, eu adoro a cultura do Haiti, sinto pelo que sofreram nas mãos dos Docs e acho sensacionais a religião e os mitos vodus, mas detesto QUALQUER tipo de censura:

KILL ALL THE HAITIANS

Vice City Soundtrack

Ouvindo a sensacional trilha-sonora do game GTA: Vice City (o quinto jogo da série que engloba ainda GTA, GTA 2, GTA: London 1969 e GTA 3). A trilha pode ser comprada em CDs separados, um para cada estação de rádio, mas estou ouvindo os arquivos MP3 que vêm com o CD do jogo, mesmo.
A melhor rádio é, de longe, a Wildstyle, uma “rádio pirata” da cidade virtual de Vice City totalmente dedicada ao rap. Como o jogo se passa em 1986, isso quer dizer pérolas fantásticas como Grandmaster Flash & The Furious Five, Afrika Bambaataa & The Soul Sonic Force, Kurtis Blow, Man Parrish, Whodini, Mantronix e muitos outros. A rádio é apresentada por Mister Magic, disc-joquei (de rádio) que foi o primeiro a tocar faixas de rap no dial convencional. Momento fantástico da série GTA e uma verdadeira aula de cultura pop negra. Recomendo até dizer chega.

Entre as outras estações, destaque para a Wave 103 (“where boys and girls look the same”), voltada para jóias da New Wave, como Human League, Blondie, Nena e Thomas Dolby.
O engraçado de jogar Vice City é esta volta à primeira metade dos anos 80 e toda sua estética rapper/new wave/disco/Miami Vice. Perfeito.

Ouvindo a sensacional trilha-sonora do game GTA: Vice City (o quinto jogo da série que engloba ainda GTA, GTA 2, GTA: London 1969 e GTA 3). A trilha pode ser comprada em CDs separados, um para cada estação de rádio, mas estou ouvindo os arquivos MP3 que vêm com o CD do jogo, mesmo.
A melhor rádio é, de longe, a Wildstyle, uma “rádio pirata” da cidade virtual de Vice City totalmente dedicada ao rap. Como o jogo se passa em 1986, isso quer dizer pérolas fantásticas como Grandmaster Flash & The Furious Five, Afrika Bambaataa & The Soul Sonic Force, Kurtis Blow, Man Parrish, Whodini, Mantronix e muitos outros. A rádio é apresentada por Mister Magic, disc-joquei (de rádio) que foi o primeiro a tocar faixas de rap no dial convencional. Momento fantástico da série GTA e uma verdadeira aula de cultura pop negra. Recomendo até dizer chega.

Entre as outras estações, destaque para a Wave 103 (“where boys and girls look the same”), voltada para jóias da New Wave, como Human League, Blondie, Nena e Thomas Dolby.
O engraçado de jogar Vice City é esta volta à primeira metade dos anos 80 e toda sua estética rapper/new wave/disco/Miami Vice. Perfeito.

Breton GTA

“O ato surrealista mais simples consiste em sair à rua empunhando revólveres e atirar a esmo, tanto quanto for possível, contra a multidão. Quem jamais teve ganas de assim liqüidar com o sistemazinho de aviltamento e cretinização em vigor tem um lugar marcado no meio dessa multidão, com o ventre à altura de um cano de revólver.”
André Breton, em trecho do Segundo Manifesto do Surrealismo.

O que me lembra de duas coisas: joguem GTA 3 (e mandem bala na multidão de cretinos nas ruas de uma forma segura) e visitem o fantástico blog O Franco Atirador, do meu amigo Lúcio Manfredi.

“O ato surrealista mais simples consiste em sair à rua empunhando revólveres e atirar a esmo, tanto quanto for possível, contra a multidão. Quem jamais teve ganas de assim liqüidar com o sistemazinho de aviltamento e cretinização em vigor tem um lugar marcado no meio dessa multidão, com o ventre à altura de um cano de revólver.”
André Breton, em trecho do Segundo Manifesto do Surrealismo.

O que me lembra de duas coisas: joguem GTA 3 (e mandem bala na multidão de cretinos nas ruas de uma forma segura) e visitem o fantástico blog O Franco Atirador, do meu amigo Lúcio Manfredi.

GTA 3 TRADUZIDO para o português

Atenção! Se você veio parar neste blog procurando a tradução do texto em português para o game GTA 3, está com sorte. Acabo de colocar a minha tradução do texto do game online. É só ir na página de downloads do Hypervoid e baixar o arquivo com a minha tradução e substituí-lo pelo arquivo de mesmo nome dentro da sua pasta GTA 3. Mas, cuidado: lembre-se de fazer o backup do arquivo original (american.gxt) em outra pasta, caso decida voltar a jogar o game em inglês.
Este novo arquivo traduz todo o jogo para português: diálogos, cut-scenes, estatísticas, menu de opções, nomes dos carros e bairros, etc. Infelizmente, devido ao código original do game, não pude usar acentos. Então, não estranhe se ler “nao” ao invés de “não”.

Atenção! Se você veio parar neste blog procurando a tradução do texto em português para o game GTA 3, está com sorte. Acabo de colocar a minha tradução do texto do game online. É só ir na página de downloads do Hypervoid e baixar o arquivo com a minha tradução e substituí-lo pelo arquivo de mesmo nome dentro da sua pasta GTA 3. Mas, cuidado: lembre-se de fazer o backup do arquivo original (american.gxt) em outra pasta, caso decida voltar a jogar o game em inglês.
Este novo arquivo traduz todo o jogo para português: diálogos, cut-scenes, estatísticas, menu de opções, nomes dos carros e bairros, etc. Infelizmente, devido ao código original do game, não pude usar acentos. Então, não estranhe se ler “nao” ao invés de “não”.

GTA 3 Traduzido

Putz, deve ser a milésima pessoa que vem aqui atrás do GTA 3 em português. Um dos meus games preferidos, infelizmente, não foi lançado em português, porque foi mais uma vez proibido no Brasil, mantendo a tradição sirodarlaniana da série. Mas, caceta, eu traduzi o GTA 3 para português e, quem quiser o arquivo que substitui o texto original, em inglês, pelo texto traduzido por mim em português, é so ir na página de downloads deste site, clicando aqui.
Em tempo: o arquivo substitui TODO o texto do jogo para uma versão em português. Diálogos das cut-scenes, menu de opções, estatísticas, pontuações, textos das missões, nomes dos carros e locais, etc. Fica bem mais fácil de jogar para os não-anglófilos. Aliás, GTA 3 tem diálogos e frases impagáveis. Um dos bandidos do filme, chefe de ganguezinha de rua e ex-gigolô, diz em dado momento: “Comecei neste lucrativo negócio tendo como moeda de troca somente o vasto conteúdo das minhas cuecas”.
E por aí vai, no melhor estilo Goodfellas.
Aliás, em breve escreverei uma história em quatro partes baseada em GTA 3 para o site Hyperfan. Aguardem a coisa mais baixo nível que pretendo escrever na vida ; )

Putz, deve ser a milésima pessoa que vem aqui atrás do GTA 3 em português. Um dos meus games preferidos, infelizmente, não foi lançado em português, porque foi mais uma vez proibido no Brasil, mantendo a tradição sirodarlaniana da série. Mas, caceta, eu traduzi o GTA 3 para português e, quem quiser o arquivo que substitui o texto original, em inglês, pelo texto traduzido por mim em português, é so ir na página de downloads deste site, clicando aqui.
Em tempo: o arquivo substitui TODO o texto do jogo para uma versão em português. Diálogos das cut-scenes, menu de opções, estatísticas, pontuações, textos das missões, nomes dos carros e locais, etc. Fica bem mais fácil de jogar para os não-anglófilos. Aliás, GTA 3 tem diálogos e frases impagáveis. Um dos bandidos do filme, chefe de ganguezinha de rua e ex-gigolô, diz em dado momento: “Comecei neste lucrativo negócio tendo como moeda de troca somente o vasto conteúdo das minhas cuecas”.
E por aí vai, no melhor estilo Goodfellas.
Aliás, em breve escreverei uma história em quatro partes baseada em GTA 3 para o site Hyperfan. Aguardem a coisa mais baixo nível que pretendo escrever na vida ; )

Yo


Eu, fugindo da polícia após matar uns colombianos safados, em GTA 3


Eu, fugindo da polícia após matar uns colombianos safados, em GTA 3

Você espera o sinal abrir, atravessa a rua e, quando chega no meio da faixa de pedestres, como se a capa de Abbey Road tivesse sido criada pelo Tarantino, tira uma Uzi das costas da jaqueta e encosta na cabeça do motorista da picape, aos gritos de “sai do carro”. Ele sai, você toma seu lugar e pisa no acelerador. A partir daí, é um videoclipe tetra-dimensional de crânios explodindo, miolos aprendendo a voar, carros de polícia atrás de você, sinais vermelhos de vergonha. A velha de vestido azul, o traficante de óculos escuros espelhados, a prostituta hiper-horny, o executivo de terno mal-cortado, todos viram upgrade de asfalto sob as rodas da picape. Você deixa a mão direita no volante, estende a esquerda com a Uzi para fora da janela e tabletes de diversão em forma de chumbo e kevlar saltam alegremente para dentro da cabeça, tronco e membros dos pedestres. Liberty City logo está apinhada de carros de polícia. Que não conseguem pegar você. BMWs do FBI. Não conseguem pegar você. Tanques do exército. Não conseguem. Você é o inimigo público número -1, o nêmesis definitivo.

Seria divertido, mas um pouco arriscado fazer isso na vida real. É aí que entra o magnífico Grand Theft Auto 3, a nova e desgraçadamente genial versão do simulador de bandidagem da Rockstar Games. Se os primeiros dois GTA eram legais, este é simplesmente perfeito. GTA 3 é o ano zero dos games eletrônicos, e não sou só eu que digo isso, mas sites respeitados como www.pcgamer.com. GTA 3 é o primeiro da série totalmente em 3D (os dois anteriores tinham um ângulo de visão superior, ou seja, o jogador via tudo de cima, como se voasse sobre a cidade). Dessa vez, nada de estética arcade. A versão renderizada de Liberty City, a cidade “onde o único palavrão é ‘esperança'”, tem nada menos que 40 quilômetros virtuais para ser explorada (e não estou usando uma figura de linguagem com essa palavra). Pela primeira vez na história dos games, é possível percorrer o mapa inteiro, na direção que o jogador quiser e quando bem entender, sem limitações de plot ou territórios não-renderizados. Perfeito.
E a trilha é fantástica: hip hop, house, techno e ópera (!!) compostos exclusivamente para as estações de rádio dos carros roubados. Nunca foi tão fácil e divertido roubar um carro. E ainda nem falei sobre as maravilhas de andar (mesmo a pé) pela cidade, carregando apenas um taco de beisebol e uma 45. Ou a epifania que é subir no telhado de um prédio e equacionar dezenas de pedestres e alguns coquetéis molotov. Por enquanto, só para Playstation 2, mas em abril sai a versão para PC (que, segundo boatos, deverá ter gráficos melhores que os da versão PS2). Deve ser proibido no Brasil, como os dois primeiros, mas tudo bem. GTA 3 é que nem ácido: se for legalizado, estraga.

Há um ano, quando vi as primeiras telas e li sobre como seria a jogabilidade de GTA3, eu disse que o jogo seria um divisor de águas no mundo dos jogos eletrônicos. Ninguém deu atenção, pra variar. Um ano depois, todas as revistas e sites decentes de reviews se renderam ao game: GTA3 foi o “jogo do ano” em quase todas as listas e certamente impõe novos padrões para os próximos títulos, sejam de que gênero e plataforma forem.