Involução

Essa página do blog do Nicholas Carr, que escreveu livros falando sobre Google, Twitter e seus efeitos sobre nossa (perda de) memória e (falta de) cognição resume bem os nossos problemas modernos.

A Internet deu uma guinada de 180° e de raver otimista nos anos 90 virou aiatolá tatibitati nos anos 10.

(E esse post minúsculo é uma amostra disso, não tão ironicamente. Em breve, mais e maiores posts de verdade).

Criadores do Pirate Bay considerados culpados

pirate

Em um péssimo desdobramento dos abutres do entretenimento contra os quatro suecos criadores do site de torrents The Pirate Bay, o quarteto foi considerado culpado por cumplicidade no ato de infringir copyrights. A decisão veio hoje, de uma corte sueca em Estocolmo. Fredrik Neij, Gottfrid Svartholm Warg, Peter Sunde e Carl Lundström foram condenados a um ano de prisão cada um e a pagar uma multa de 30 milhões de kronor (3 milhões e meio de dólares) em danos.

Em uma atitude pouco usual, o juiz deu uma coletiva após a sentença ser proferida. Perguntado sobre se a mesma lógica de disponibilizar buscas sobre torrents se aplicaria a sites como o Google, ele desconversou: “Examinamos as condições neste caso apenas”.

Fundado em 2003, o Pirate Bay fornece acesso a arquivos de torrent que permitem o download em sites de terceiros (não no Pirate Bay) de arquivos de música, vídeo, software, eBooks e games, entre outros artefatos, através da tecnologia de bitTorrents. Nenhum do material podia ser encontrado no site ou nos servidores do próprio Pirate Bay. O site possui cerca de 200 milhões de usuários em todo o mundo.

Incapaz de conter sua frustração, o advogado de defesa do grupo, Per Samuelson, disse após a sentença, a respeito do juiz afirmar que o Pirate Bay nada mais era que uma operação comercial altamente lucrativa:

“O velho bastardo está maluco. O poder e o establishment, todos apontaram seus dedos para um grupo de jovens rebeldes que descobriram uma nova tecnologia e disseram que eles deveriam ser condenados. Vão pagar uma multa milionária e talvez encarem um ano de prisão por terem fornecido uma conexão de Internet. É incompreensível para eles”.

Como o Pirate Bay deve apelar da sentença, o caso provavelmente seguirá para a Suprema Corte da Suécia e talvez ainda para a Corte Européia de Justiça. De qualquer forma, muitos anos se passarão antes de uma sentença definitiva. O irônico é que esta decisão deve acontecer em uma época em que a tecnologia de torrents já terá sido substituída por formas mais sofisticadas – e talvez “oficiais” – de compartilhamento de arquivos na rede.