Tuesday, March 11, 2003 at 11:18 AM

Neste momento, em Nuuk, capital da Groenlândia:

Image hosted by Photobucket.com

Neste momento, em Nuuk, capital da Groenlândia:

Image hosted by Photobucket.com

Cybercafe no Everest

O neto de um nepalês que participou da primeira expedição a escalar o Monte Everest – 50 anos atrás – planeja abrir o mais alto cybercafé do mundo em uma base daquele monte. Tsering Gyaltsen, cujo avô, Gyaltsen Sherpa, estava no grupo que, em 1953, ajudou Sir Edmund Hillary e Tenzing Norgay a escalar os 8.700 metros do Everest, espera abrir o cybercafé no mês que vem, para lucrar com a onda de visitantes atraídos pelo aniversário de 50 anos da primeira escalada. O café ficará a uma altura de 5.200 metros, em uma base por onde passam milhares de trekkers e alpinistas anualmente. O lucro do café será revertido para um projeto de limpeza do Everest (todos os anos, os mesmos trekkers e montanhistas manés deixam para trás milhares de toneladas de lixo).
O Nepal tem oito das 14 montanhas mais altas do mundo. As dezenas de milhares de turistas estrangeiros que as montanhas atraem anualmente são uma das principais fontes de renda desta que é uma das nações mais pobres do planeta.
O nepalês Dipamkara é considerado o primeiro sucessor do Buda original. É uma das figuras mais populares do país. Seu nome significa “aquele que acende as luzes”.
Vajrasattva é o terceiro Dhyani-Buda do Nepal, a quem a parte final da noite é dedicada. Sua cor é branca e seus pertences são um relâmpago (vajra) e um relógio.
O Yeti é o Abominável Homem das Neves, que é visto no Himalaia desde 1951.

O neto de um nepalês que participou da primeira expedição a escalar o Monte Everest – 50 anos atrás – planeja abrir o mais alto cybercafé do mundo em uma base daquele monte. Tsering Gyaltsen, cujo avô, Gyaltsen Sherpa, estava no grupo que, em 1953, ajudou Sir Edmund Hillary e Tenzing Norgay a escalar os 8.700 metros do Everest, espera abrir o cybercafé no mês que vem, para lucrar com a onda de visitantes atraídos pelo aniversário de 50 anos da primeira escalada. O café ficará a uma altura de 5.200 metros, em uma base por onde passam milhares de trekkers e alpinistas anualmente. O lucro do café será revertido para um projeto de limpeza do Everest (todos os anos, os mesmos trekkers e montanhistas manés deixam para trás milhares de toneladas de lixo).
O Nepal tem oito das 14 montanhas mais altas do mundo. As dezenas de milhares de turistas estrangeiros que as montanhas atraem anualmente são uma das principais fontes de renda desta que é uma das nações mais pobres do planeta.
O nepalês Dipamkara é considerado o primeiro sucessor do Buda original. É uma das figuras mais populares do país. Seu nome significa “aquele que acende as luzes”.
Vajrasattva é o terceiro Dhyani-Buda do Nepal, a quem a parte final da noite é dedicada. Sua cor é branca e seus pertences são um relâmpago (vajra) e um relógio.
O Yeti é o Abominável Homem das Neves, que é visto no Himalaia desde 1951.

Tuesday, February 11, 2003 at 12:09 PM

Adoro essas fotos:
Image hosted by Photobucket.com
(Copiado do blog do Warren Ellis; não resisti).

Adoro essas fotos:
Image hosted by Photobucket.com
(Copiado do blog do Warren Ellis; não resisti).

O calor, recém-chegado do Zimbabwe, me chamou para fora de casa. Andei pela praia por alguns quarteirões. Quer dizer, “praia” é um termo que deixou de ser aplicável à “praia” das Pitangueiras há mais de vinte anos. Minha avó jura que, quando veio morar aqui, no início dos anos 50, a água era cristalina. Hoje, nem na areia dá para pisar. Mas de noite, vendo do asfalto, a escuridão esconde a sujeira e o mar de óleo e até que fica bonito. A Lua estava espantosamente cheia e a superfície da água refletia um vasto brilho de zinco. Ao lado do reflexo da lua, uma pequena ilha transformada em refinaria de óleo, com as luzes todas acesas, deixava sobre a água um reflexo do mesmo tamanho, só que dourado. Pareciam irmãos negativos de diferentes dimensões, como em um número de Invisibles.