Hannah Nua

Image hosted by Photobucket.com

Um dos meus primeiros símbolos sexuais, a atriz Daryl Hannah, anunciou que posará nua para a Playboy, aos 42 anos. Hannah fez a maravilhosa andróide Pris em Blade Runner (um dos meus primeiros filmes favoritos). Ela decidiu posar nua pela primeira vez graças a Quentin Tarantino. É que a atriz teve que ficar em sua melhor forma – com práticas intensas de karatê e esgrima – para interpretar uma assassina no próximo filme do diretor, Kill Bill.

Daryl Hannah está aí em cima, como Pris, no sensacional Blade Runner, e abaixo, em foto recente.

Image hosted by Photobucket.com

Image hosted by Photobucket.com

Um dos meus primeiros símbolos sexuais, a atriz Daryl Hannah, anunciou que posará nua para a Playboy, aos 42 anos. Hannah fez a maravilhosa andróide Pris em Blade Runner (um dos meus primeiros filmes favoritos). Ela decidiu posar nua pela primeira vez graças a Quentin Tarantino. É que a atriz teve que ficar em sua melhor forma – com práticas intensas de karatê e esgrima – para interpretar uma assassina no próximo filme do diretor, Kill Bill.

Daryl Hannah está aí em cima, como Pris, no sensacional Blade Runner, e abaixo, em foto recente.

Image hosted by Photobucket.com

Saturday, August 2, 2003 at 12:31 PM

“Lembro que uma vez vi uma garota fazendo fist-fucking em uma outra. Elas estavam naquelas redes que pendem do teto da pista no Manumission. Foi um pouco demais pra mim”.

DJ Smokin Jo, lembrando porque nunca desgruda os olhos do chão enquanto dança.

“Lembro que uma vez vi uma garota fazendo fist-fucking em uma outra. Elas estavam naquelas redes que pendem do teto da pista no Manumission. Foi um pouco demais pra mim”.

DJ Smokin Jo, lembrando porque nunca desgruda os olhos do chão enquanto dança.

Os Iguais se Atraem

O velho papo de que “os opostos se atraem” e “os diferentes se completam” pode ser uma grande furada. Pesquisas revelam que as pessoas tendem a se entender melhor com pessoas que pensam como elas e até mesmo se vestem de forma parecida. Veja mais aqui.

O velho papo de que “os opostos se atraem” e “os diferentes se completam” pode ser uma grande furada. Pesquisas revelam que as pessoas tendem a se entender melhor com pessoas que pensam como elas e até mesmo se vestem de forma parecida. Veja mais aqui.

Onde?

Guia para encontrar o ponto G:
http://www.findthegspot.com/

Guia para encontrar o ponto G:
http://www.findthegspot.com/

Dance Til I Cry

Homens que sabem dançar e têm desenvoltura nas pistas de dança são melhores na cama. Pelo menos é o que afirma o sexólogo inglês Flic Everett, que realizou uma pesquisa para o jornal Daily Mirror com duas mil mulheres. Everett disse que “pessoas com groove, relaxadas e rítmicas, são as melhores amantes, porque sua desenvoltura na pista de dança significa que elas serão criativas, carinhosas e terão consideração pelas parceiras, além de habilidosas e cheias de surpresas em relação ao sexo”.

Meninos tímidos que dançam de frente para a parede são casos perdidos para 62% das mulheres entrevistadas, que garantem que “homens tímidos na pista são tímidos na cama”. Demonstrações a la John Travolta e o hábito de estalar os dedos enquanto dança – ou imitar que está tocando guitarra, a infame “air guitar” – também seriam indícios negativos, desagradando a 2/3 das mulheres. “Estes gastam mais tempo na cama tentando impressionar e preocupados com a aparência do que tentando agradar a você”, disseram. Meses atrás, outra pesquisa semelhante – também em Londres – já havia indicado que as mulheres acham que “um terço dos homens ainda têm muito o que aprender nas pistas de dança”.

Homens que sabem dançar e têm desenvoltura nas pistas de dança são melhores na cama. Pelo menos é o que afirma o sexólogo inglês Flic Everett, que realizou uma pesquisa para o jornal Daily Mirror com duas mil mulheres. Everett disse que “pessoas com groove, relaxadas e rítmicas, são as melhores amantes, porque sua desenvoltura na pista de dança significa que elas serão criativas, carinhosas e terão consideração pelas parceiras, além de habilidosas e cheias de surpresas em relação ao sexo”.

Meninos tímidos que dançam de frente para a parede são casos perdidos para 62% das mulheres entrevistadas, que garantem que “homens tímidos na pista são tímidos na cama”. Demonstrações a la John Travolta e o hábito de estalar os dedos enquanto dança – ou imitar que está tocando guitarra, a infame “air guitar” – também seriam indícios negativos, desagradando a 2/3 das mulheres. “Estes gastam mais tempo na cama tentando impressionar e preocupados com a aparência do que tentando agradar a você”, disseram. Meses atrás, outra pesquisa semelhante – também em Londres – já havia indicado que as mulheres acham que “um terço dos homens ainda têm muito o que aprender nas pistas de dança”.

Prometi para mim mesmo que nunca iria falar de sexo nesse blog. É incrível como se fala de sexo hoje em dia. E falar de sexo é como descrever um quadro ou ouvir um fanho cantando sua música favorita. Será que se fala muito porque se faz pouco? O pior é que não: se faz muito sexo hoje em dia. Talvez se faça mal, mas se faz. Acho que foi o Gore Vidal que disse que “todos os discursos giram em torno de sexo e política”. Como os iguais se repelem e todo discurso é sexual, falar de sexo nem sempre é sexy. E o pior é que, como sexo normalmente é uma coisa feita – pelo menos – a dois, sempre se acaba contando coisas indizíveis de terceiros nos blogs. Na era do “kiss & tell” institucionalizado, eu é que não vou sair expondo outras pessoas. E como narrativas sobre masturbação dificilmente são espetaculares, nada de sexo aqui no Bizarre.

Por falar em Gore Vidal, sempre é bom lembrar que o gore é vital: joguem GTA 3.