Ocupação Arte Sonora

“As Três Torres”, 2009, texto, música e caixas de acrílico – Alex Mandarino e Leandra Lambert / Foto de Alex Mandarino

Meu trabalho As Três Torres está exposto na mostra Arte Sonora, que ocupa o Castelinho do Flamengo até o final de abril. São três caixas de acrílico contendo três microcontos fantásticos e três ambientações sonoras respectivas, compostas em parceria com Leandra Lambert. Apareçam por la, entrada gratuita.

“A ocupação ARTE SONORA coloca o som no centro da questão, durante dois meses, no Castelinho do Flamengo. Artistas, DJs, músicos e pesquisadores apresentarão instalações, palestras, vídeos, performances, lives, DJ sets, além de realizar gravações de podcasts e mixtapes.

Durante a ocupação os organizadores do projeto, Franz Manata e Saulo Laudares, irão transferir suas atividades de ateliê para o centro cultural.

As quartas e sextas-feiras serão dedicadas ao The Place, prática desenvolvida pelo duo desde 1998, que consiste em um espaço coletivo de experiências sonoras, onde artistas, pesquisadores, djs, músicos e o público compartilham seus interesses e experiências em torno do som.

Os participantes

Alex Mandarino ▪ Anna Costa e Silva ▪ Bhagavan David ▪ BQVC ▪ Caio Cesar Loures ▪ Carlos Lafert ▪ Felipe Vaz ▪ Gabriel Cavalleiro ▪ πollanda ▪ Jose Hesse ▪ Lara Leal ▪ Leandra Lambert ▪ Leliene Rodrigues ▪ Luisa Puterman ▪ Luiza Porto ▪ Marcelo Mudou ▪ Mila Bartilotti ▪ Nuvem Movel ▪ O Grivo ▪ Pedro Victor Brandão ▪ Ricco Garcia ▪ Savio de Queiroz ▪ Sean Diss ▪ Vivian Caccuri …e segue crescendo…

O projeto

ARTE SONORA é uma prática artística do duo Franz Manata e Saulo Laudares. O projeto – iniciado em 2009, na Escola de Artes Visuais do Parque Lage – já assumiu diversos formatos: workshops, happenings, podcasts, exposições, publicações, programas de rádio, ações na web e programas de residência e seu conteúdo é disponibilizado, gratuitamente, no: exst.net/artesonora.

Ao longo de seis anos o ARTE SONORA deixou de ser apenas um workshop com happening em seu encerramento e se transformou numa plataforma de pesquisas, ações, gravação de programas sobre o tema para veiculação online com a participação de importantes artistas e pensadores brasileiros, como: Cildo Meireles, Guilherme Vaz, Rodolfo Caesar, o coletivo Chelpa Ferro entre tantos outros…

O duo

Franz é artista, curador e professor, Saulo é artista e DJ produtor e ambos lecionam na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. O duo começou suas atividades em 1996, a partir da observação sobre o universo do comportamento e da cultura da música eletrônica contemporânea e vem realizando programas de residência e participando de mostras, individuais e coletivas, dentro e fora do país.

Panorâmica da sala com trabalhos de Leandra Lambert na Ocupação

Info

Início: Sexta-­feira, 6 de Março, 18h
Visitação até 26 de Abril de 2015, de terça à domingo, das 10h às 18h
Castelinho do Flamengo (Centro Cultural Municipal Oduvaldo Vianna Filho)
Praia do Flamengo, 158
2205 ­0655
contato: exst.net@gmail.com

G1 – Antônio Carlos Miguel:

http://g1.globo.com/musica/blog/antonio-carlos-miguel/1.html

Catraca Livre:

https://catracalivre.com.br/rio/agenda/gratis/arte-sonora-faz-ocupacao-no-castelinho-do-flamengo/

No Brasil:

http://nobrasil.co/ocupacao-sonora-no-rio-coloca-o-som-no-centro-da-questao/

Página do evento:

https://www.facebook.com/events/1638511989705912/

As Três Torres no Castelinho, com som ambiente / Foto de Alex Mandarino
As Três Torres no Castelinho, com som ambiente / Foto de Alex Mandarino
Panorama da sala com trabalhos de Leandra Lambert / Foto de Alex Mandarino
Panorama da sala com trabalhos de Leandra Lambert / Foto de Alex Mandarino

Ada Lovelace Day: Ada JPG vira Ada WAV

377px-Ada_Lovelace
Ada Lovelace foi a precursora de tantas coisas que é inusitado que ela não tenha mais datas dedicadas a ela. Primeira programadora da história, Ada burlou os traumas herdados por não ter conhecido o pai – o poeta Lord Byron – movendo seus pensamentos do hemisfério direito para o esquerdo. Ao invés da poesia do pai, transitou pela matemática e pelo mundo lógico que permeavam a vida de sua mãe. Mas métrica e números andam sempre juntos e não tardou para que a poesia alcançasse Ada, ainda que por vias mecânicas. Lovelace foi a primeira pessoa a postular que computadores (na época chamados apenas de “máquinas analíticas”) seriam capazes de ajudar na criação de música, arte e artefatos estéticos.

 

A existência dessa genial e única pioneira é comemorada no dia 24 de março, o Ada Lovelace Day. Nesse dia, a relação entre mulheres e tecnologia é comemorada em blogs, sites e locais físicos onde esta confluência tecno-feminina acontece. Para participar dessa comemoração, eu e minha namorada, Leandra Lambert (do projeto de música eletrônica Voz Del Fuego) criamos três peças de arte sonora em homenagem a Ada Lovelace. As peças são a transformação de imagens em sons.

 

Para isso, coletamos diversas imagens relacionadas ao universo de Ada, como retratos seus, fotos da máquina analítica de Charles Babbage, cartas, algoritmos, trechos da linguagem de programação ADA, quadros de sua mãe e diversos outros elementos pictóricos. Estas imagens foram então convertidas em sons, usando um software específico para isso. A partir daí, criamos peças sonoras usando única e exclusivamente os fragmentos de áudio obtidos com a conversão da Ada imagética para a Ada auditiva. Estes fragmentos foram organizados e sequenciados em outro programa.

 

Linhas sonoras, ambientações drone e até mesmo peças rítmicas foram criadas com os arquivos de áudio resultantes das imagens coletadas. Os três trabalhos se chamam Droning By Numbers, Lovelace e Analytical Engine e podem ser escutados no site Blanktape, ligado ao grupo BR.Ada, que fez a curadoria da mostra virtual. É só clicar aqui e ir direto para a página. Ou clicar aqui e ir conferindo todos os trabalhos participantes (se ficar confuso, é só clicar no símbolo “+” no fim do texto e, na página seguinte, clicar na seta de navegação que está ao lado da palavra “Intro”, no topo da página). Ada Lovelace merece sua visita. Sem ela, você não teria essa Internet aí na sua frente.