Will Wright deixa a EA

O game designer Will Wright, criador da série The Sims, deixou a Electronic Arts. Wright vai se dedicar totalmente ao seu Stupid Fun Club, espécie de “think tank” ligado ao entretenimento que ele mantém em Berkeley. O Club foi fundado por ele há vários anos com a intenção de construir e testar novas idéias na área de robótica, mas agora se auto-descreve como “desenvolvendo novas propriedades intelectuais para ser explowrightradas em múltiplas frentes, como games, filmes, televisão, internet e brinquedos”. Ou seja: decidiram ganhar grana (ainda bem).

O detalhe curioso é que, como parte do acordo que envolve a saída de Wright de seus quadros, a EA vai comprar uma parte igual do Stupid Fun Club, o que a tornará, ao lado de Wright, a principal acionista. A Electronic Arts se reservará o direito de ser a primeira a receber a oferta de publicar qualquer game que saia dali. Em 1997, a EA já havia comprado a primeira companhia de Wright, a desenvolvedora Maxis, por 125 milhões de dólares. Com estas novas negociações, Wright está com certeza bem rico.

O acordo parece ótimo para as duas partes: Wright ganha a necessária injeção de grana e logística para tocar o Fun Club e a EA de lambuja recebe seu próprio laboratório de cientista louco, mantendo Wright ao seu alcance. Vamos ver o que sai daí, já que – ao contrário do delicioso e revolucionário The Sims – o último game de Wright, Spore, deixou bastante a desejar, ao menos em relação ao montante do hype que levantou.

Sequências demais

Em entrevista para o site alemão Stern, o game designer Will Wright afirmou que o mercado atual de games produz sequências demais. Ao ser perguntado sobre a abundância de títulos seguidos dos números 2, 3 e até mesmo 4 no mercado, ele disse que essa prática é ruim e o sinal de um cenário pobre e conservador.

No que eu concordo totalmente, mas o que Wright achou disso quando criou The Sims 2 ou SimCity 4?

Em entrevista para o site alemão Stern, o game designer Will Wright afirmou que o mercado atual de games produz sequências demais. Ao ser perguntado sobre a abundância de títulos seguidos dos números 2, 3 e até mesmo 4 no mercado, ele disse que essa prática é ruim e o sinal de um cenário pobre e conservador.

 

No que eu concordo totalmente, mas o que Wright achou disso quando criou The Sims 2 ou SimCity 4?

The Urbz

The Urbz é o novo game que a EA lança dentro da franquia iniciada com The Sims. Mas, ao contrário dos outros patches, é um game inteiramente novo: novo engine gráfico, nova interface, etc. É uma espécie de The Sims totalmente urbano, “vivido” fora de casa. Você cria seu personagem, escolhe as roupas, personalidade, piercings, tatuagens e depois o solta na zona urbanóide para ver se ele consegue descolar algum street cred. Provavelmente muito divertido. Foi anunciado ontem pela Electronic Arts para o fim do ano, somente para consoles (os quatro: PS2, GameCube, XBOX e GBA).

Pela ótima imagem aí de cima (dêem uma olhada nos divertidos e trendy detalhes das roupas), promete ser uma mistura da personalização através de avatares do The Sims com a liberdade de plot e a amplidão urbano-arquitetônica de GTA 3. Espero ansioso.

Ouvindo: Human League, Mirror Man.

The Urbz é o novo game que a EA lança dentro da franquia iniciada com The Sims. Mas, ao contrário dos outros patches, é um game inteiramente novo: novo engine gráfico, nova interface, etc. É uma espécie de The Sims totalmente urbano, “vivido” fora de casa. Você cria seu personagem, escolhe as roupas, personalidade, piercings, tatuagens e depois o solta na zona urbanóide para ver se ele consegue descolar algum street cred. Provavelmente muito divertido. Foi anunciado ontem pela Electronic Arts para o fim do ano, somente para consoles (os quatro: PS2, GameCube, XBOX e GBA).

Pela ótima imagem aí de cima (dêem uma olhada nos divertidos e trendy detalhes das roupas), promete ser uma mistura da personalização através de avatares do The Sims com a liberdade de plot e a amplidão urbano-arquitetônica de GTA 3. Espero ansioso.

Ouvindo: Human League, Mirror Man.

Game Anti-Terror

E tem um excelente artigo na versão online da Popular Science, onde a revista examina mais de perto como a tecnologia de games como The Sims, de Will Wright, está sendo usada para ajudar a prever qual, dentre os alvos mais prováveis ao redor do globo, tem mais chances de ser o próximo alvo dos terroristas. Vale a leitura das cinco páginas do texto.

E tem um excelente artigo na versão online da Popular Science, onde a revista examina mais de perto como a tecnologia de games como The Sims, de Will Wright, está sendo usada para ajudar a prever qual, dentre os alvos mais prováveis ao redor do globo, tem mais chances de ser o próximo alvo dos terroristas. Vale a leitura das cinco páginas do texto.

The Sims 2 – Entrevista

A melhor revista de games do mundo, minha querida PC Zone, colocou em seu site uma ótima entrevista com os caras da EA (Electronic Arts) sobre The Sims 2. Clique aqui e saiba mais sobre o jogo que promete revolucionar (de novo) o mercado.

A melhor revista de games do mundo, minha querida PC Zone, colocou em seu site uma ótima entrevista com os caras da EA (Electronic Arts) sobre The Sims 2. Clique aqui e saiba mais sobre o jogo que promete revolucionar (de novo) o mercado.

The Sims Online

O The Sims Online sempre foi um oásis de não-violência e interação divertida entre os games online. Os chamados MMOGs (Massively Multiplayers Online Games) sempre estiveram mais propícios a incorporar um estilo RPG (como Ultima Online) ou um jogo de tiro. The Sims Online era o simulador de vida doméstica criado por Will Wright elevado à máxima potência.

Mas a ultra-violência se mudou e, assim, there goes the neighborhood.

Um grupo de jogadores se auto-intitulou “Sims Shadow Government” e, aproveitando a saudável ausência de restrições e leis da versão online do game, passou a “legislar”, exercendo poder de polícia e prefeito. Mas, como o poder corrompe, recentemente eles passaram a agir como a Máfia: invadem as casas dos avatares dos jogadores e ameaçam quebrar coisas; exigem dinheiro de “proteção” e demais técnicas da Cosa Nostra.

Os jogadores antigos estão assustados e com raiva e mais detalhes podem ser lidos aqui no site da SiliconValley.Com.

O The Sims Online sempre foi um oásis de não-violência e interação divertida entre os games online. Os chamados MMOGs (Massively Multiplayers Online Games) sempre estiveram mais propícios a incorporar um estilo RPG (como Ultima Online) ou um jogo de tiro. The Sims Online era o simulador de vida doméstica criado por Will Wright elevado à máxima potência.

Mas a ultra-violência se mudou e, assim, there goes the neighborhood.

Um grupo de jogadores se auto-intitulou “Sims Shadow Government” e, aproveitando a saudável ausência de restrições e leis da versão online do game, passou a “legislar”, exercendo poder de polícia e prefeito. Mas, como o poder corrompe, recentemente eles passaram a agir como a Máfia: invadem as casas dos avatares dos jogadores e ameaçam quebrar coisas; exigem dinheiro de “proteção” e demais técnicas da Cosa Nostra.

Os jogadores antigos estão assustados e com raiva e mais detalhes podem ser lidos aqui no site da SiliconValley.Com.

The Sims 2

Parece que, depois de lançar The Sims – Superstar, a software-house Maxis finalmente se tocou que, ao invés de lançar novas e novas coisas para o primeiro The Sims, é melhor aprimorar logo o jogo de uma vez. E anunciou para 2004 o lançamento de The Sims 2, que desde já promete revolucionar o mundo dos games. Pra se ter uma idéia, The Sims 2 terá um novo engine 3D, que permitirá a aproximação das cenas. O jogador estará literalmente dentro da casa do Sim, ao invés da tradicional visão isométrica, de cima. Ou seja, 3D real, finalmente.

Mas as surpresas não param aí: os novos Sims envelhecerão e morrerão. E poderão ter filhos de verdade (ao invés daquele carrinho de bebê eterno do primeiro game). Will Wright, o genial criador das séries The Sims e Sim City, também criou novos algoritmos que simulam o DNA: os filhos dos Sims terão características físicas e de personalidade do pai e da mãe; Sims sedentários ganharão quilinhos com o passar do tempo; Sims que lêem livros ficarão mais inteligentes, etc. Enfim, The Sims 2 promete superar o primeiro game e todos os seus patches. Confira abaixo as primeiras imagens divulgadas:

The Sims 2 é amasso na banheira:

The Sims 2 é porradaria:

The Sims 2 é diversão para você, seus pais, sua avó, suas irmãs e seu primo careca:

Parece que, depois de lançar The Sims – Superstar, a software-house Maxis finalmente se tocou que, ao invés de lançar novas e novas coisas para o primeiro The Sims, é melhor aprimorar logo o jogo de uma vez. E anunciou para 2004 o lançamento de The Sims 2, que desde já promete revolucionar o mundo dos games. Pra se ter uma idéia, The Sims 2 terá um novo engine 3D, que permitirá a aproximação das cenas. O jogador estará literalmente dentro da casa do Sim, ao invés da tradicional visão isométrica, de cima. Ou seja, 3D real, finalmente.

Mas as surpresas não param aí: os novos Sims envelhecerão e morrerão. E poderão ter filhos de verdade (ao invés daquele carrinho de bebê eterno do primeiro game). Will Wright, o genial criador das séries The Sims e Sim City, também criou novos algoritmos que simulam o DNA: os filhos dos Sims terão características físicas e de personalidade do pai e da mãe; Sims sedentários ganharão quilinhos com o passar do tempo; Sims que lêem livros ficarão mais inteligentes, etc. Enfim, The Sims 2 promete superar o primeiro game e todos os seus patches. Confira abaixo as primeiras imagens divulgadas:

The Sims 2 é amasso na banheira:

The Sims 2 é porradaria:

The Sims 2 é diversão para você, seus pais, sua avó, suas irmãs e seu primo careca: